• qui. dez 2nd, 2021

Os perigos do sedentarismo e como equilibrar seu estilo de vida

nov 1, 2021

Trabalhar o dia sentado, enfrentar horas no trânsito, chegar e relaxar na frente da televisão ou celular comendo alguma bobagem. Essa é basicamente a rotina de milhões de pessoas, pelo menos em parte. Mas apesar de ser um estilo de vida bem comum não deixa de ser perigoso a saúde. Por isso na matéria de hoje vamos falar sobre um mal que assola a todos nós: O sedentarismo, seus maus e como melhorar o estilo de vida.

Uma vida confortável, mas…

Como seres humanos nossa tendência é nos acomodarmos aonde nos sentimos melhor e confortáveis. Por isso, depois de um dia longo de trabalho é normal sentirmos vontade de descansar e comer algo que nos faça felizes.

E é por esse motivo que o sedentarismo é tão perigoso, porque é fácil seguir esse caminho. Nosso próprio dia a dia parece ser projetado para nos deixar sentados ou para fazermos menos atividades físicas. Mas a grande questão é: Qual o custo dessa vida cômoda e sem esforço?

O mal do sedentarismo

Um estudo feito pela universidade de Cambridge informou que o comportamento sedentário, de ficar horas sentado e quase nenhuma atividade física durante o dia tem um risco de morte semelhante aos riscos de fatalidade associados à obesidade e ao fumo. Aumento da pressão arterial, açúcar elevado no sangue, níveis anormais de colesterol e excesso de gordura corporal podem ser relacionados ao sedentarismo.

Mas além disso, um dos principais males do sedentarismo são as doenças cardíacas. Uma outra pesquisa realizada em 2018 por um famoso jornal americano, mostrou que o sedentarismo e a falta de exercícios físicos constantes suficientes pode aumentar o risco da obesidade, diabetes, pressão alta e colesterol alto, ou seja, todas as condições necessárias que podem aumentar o risco de desenvolver doenças cardíacas.  

A saúde mental também pode ser afetada negativamente pela vida sedentária. Os mesmos pesquisadores entrevistaram mais de 3.300 funcionários do governo e descobriram que homens que ficavam sentados por mais de seis horas por dia no trabalho tinham 90% mais probabilidade de sentir sofrimento psicológico moderado, como inquietação, nervosismo ou desesperança, do que aqueles que ficavam sentados por menos de três horas um dia.

Além de tudo isso, o sedentarismo ainda pode custar mais caro a saúde, pois pode aumentar significativamente o risco de uma pessoa desenvolver vários tipos de câncer. Uma meta-análise alemã de 43 estudos envolvendo quatro milhões de pessoas indicou que aqueles que mais se sentam têm maior propensão para desenvolver câncer de cólon, câncer de endométrio e câncer de pulmão.

Bem, agora que você já sabe o quanto o sedentarismo custa a saúde, vamos analisar como remediar a situação enquanto ainda há tempo.

Equilibre seu estilo de vida

A atividade e o exercício físico são os melhores remédios, reduzindo em até 50% as chances de ataque cardíaco e outras doenças associadas a condicionamento. Mas não se preocupe, você não precisa se tornar um atleta, somente reduzir a inatividade e estimular o seu corpo a ser mais ativo.

As organizações de saúde recomendam que as pessoas se levantem e se mexam sempre que houver oportunidade para ajudar a reduzir os riscos da inatividade e sedentarismo. Além disso, uma boa alimentação, rica em fibras e proteínas aumentam a energia, pois o corpo consome elas lentamente. Assim você tem mais disposição para atividades que exijam mais esforço físico. Por isso não deixe de conferir nosso artigo sobre Como ter uma alimentação mais saudável e quais os alimentos recomendados.

Os especialistas das pesquisas também recomendam que os adultos façam pelo menos 150 minutos de atividade de intensidade moderada, como exemplo caminhada ou exercícios de baixo impacto; ou 75 minutos de atividade intensa, como corridas ou natação, distribuídos ao longo da semana, juntamente com sessões de exercícios de fortalecimento muscular.

É claro que cada pessoa tem uma rotina e disponibilidades diferentes, mas cada pequena mudança faz a diferença. Como evitar elevadores e preferir escadas ou evitar usar o carro quando você pode ir a pé ou de bicicleta a algum lugar. Essas pequenas mudanças de hábito vão te ajudar a melhorar a sua saúde física, mental e a ter mais disposição e alegria no dia a dia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *